Quarta-feira
22 de Novembro de 2017 - 

Controle de Processos

Digite aqui seus dados para acompanhar o processo. Juntos lutamos pela Justiça!

Informativo

Cadastre-se para obter informações jurídicas

Previsão do tempo

Hoje - Santo Antônio ...

Máx
31ºC
Min
20ºC
Chuva

Quinta-feira - Santo A...

Máx
25ºC
Min
19ºC
Chuvoso

Notícias

TJ-RJ autoriza mediação em processo de recuperação judicial da Oi

A 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) autorizou, no fim de agosto, a Oi a dar sequência no Programa para Acordo com Credores. O programa, que prevê a antecipação de créditos até R$ 50 mil para credores do processo de recuperação judicial da companhia, teve início em 26 de junho e, por força de uma liminar, a companhia vinha realizando apenas o cadastramento dos interessados. A Lei de Recuperação Judicial, Extrajudicial e Falência não proíbe que uma empresa em recuperação instaure um processo de mediação ou conciliação, pois é incompatível com o instituto qualquer ingerência do juízo na condução do procedimento em fase preliminar. Com esse entendimento, a 8ª Câmara Cível permitiu, pela primeira vez num julgamento em segunda instância, a mediação entre devedor em recuperação judicial e seus credores. A decisão tem foco nos pequenos credores, pois a decisão vale para todas prestadoras de serviço que queiram receber até R$ 50 mil. As que têm uma dívida maior podem optar por receber o adiantamento do crédito sem renunciar ao direito de receber o valor que exceder esse montante. Segundo a advogada Ana Basílio, do escritório Basílio Advogados, que representa a empresa de telecomunicação são mais de 50 mil credores envolvidos e as mediações já começaram logo após a decisão. O juízo de primeiro grau havia autorizado negociação da empresa com seus credores. Porém, mais tarde, aceitou embargos de declaração com efeito suspensivo interposto pela Caixa a fim de esclarecer alguns pontos sobre o processo de negociação entre as empresas. No julgamento do agravo de instrumento, por 2 votos a 1, prevaleceu a posição da relatora, desembargadora Mônica Maria Costa: não é adequada a ação do Judiciário como órgão consultivo prévio. “A controvérsia posta nos autos reside em aferir a possibilidade de o Juízo Recuperacional exercer controle prévio de legalidade, traçando, antecipadamente, parâmetros a serem seguidos pelos credores e pelas empresas recuperandas, antes mesmo de iniciado o procedimento de mediação”, resumiu a relatora. Segundo a magistrada, a valorização do mecanismo de autocomposição vem sendo reiterado pelo Poder Legislativo por meio de leis que estimulam a solução consensual dos litígios, assim como o instituto teve a importância reconhecida no novo Código de Processo Civil. O artigo 3º da Lei 13.140/2015 disciplina “que pode ser objeto de mediação o conflito que verse sobre direitos disponíveis ou sobre direitos indisponíveis que admitam transação”. Assim, não restam dúvidas sobre a sua aplicação aos processos de Recuperação Judicial e Falência, sustentou a desembargadora. Ela lembrou que embora o instituto seja regrado pela Lei de Mediação, de 2015, sua interpretação deve se dar em harmonia com a Constituição e, principalmente com a Lei de Recuperação Judicial. A relatora ressaltou que a minuta elaborada pelas empresas não pode ser vinculativa e o processo de mediação deve ser o espaço para se discutir forma e condições de pagamento dos valores do acordo. “Diante da índole negocial que o plano de recuperação judicial apresenta, constituindo-se negócio jurídico de caráter contratual, com determinações específicas, a atuação do Estado-Juiz se restringirá à verificação se os interesses das partes para alcançar a finalidade recuperatória estão desrespeitando ou extrapolando os limites da lei”, explicou. A Caixa defendia que o adiantamento de R$ 50 mil aos credores “repele a subsistência de direito de voto, em Assembleia Geral, no que se refere ao crédito já adiantado em seus limites, diante da inviabilidade de devolução de tais recursos, demonstrando tratar-se de efetivo pagamento em dinheiro, extintivo da obrigação e do respectivo crédito”. A desembargadora, porém, reafirmou ser prematuro o questionamento acerca da legalidade dos eventuais acordos que venham a ser celebrados nas mediações. Clique aqui para ler o voto da relatora. *Com informações do ConJur
Visitas no site:  148002
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.